Ainda faz sentido falar em gestão de RH?

Ainda faz sentido falar em gestão de RH?
01 Março 2018    3409
Apesar de não preconizar o fim dos DRH entre os quais se contam, aliás, vários amigos e amigas, creio que é uma função que irá ser alvo de uma enorme transformação nos próximos anos.

Já lá vão os tempos em que os DRH tinham como principal função a mera gestão administrativa de salários, férias e faltas ou as chamadas “relações laborais” que incluíam árduas e longas negociações com sindicatos. Seguiu-se uma época em que, a estas funções, foram acrescidas áreas relacionadas com o desenvolvimento profissional, as carreiras, bem como a atração, gestão e retenção de talento. É também dessa época que surgem os conceitos de EVP em que o “E” serve tanto para “Employer” como para “Employee”. Mais recentemente, têm surgido novas áreas de intervenção das direções de recursos humanos como a promoção da saúde e bem-estar através, entre outras, de campanhas de combate ao tabagismo ou workshops sobre alimentação saudável, entre muitas outras.

A questão que agora se coloca é bem mais ampla. Ainda faz sentido falar em “Recursos Humanos”? E é possível assegurar uma “Gestão” desses recursos?

Desde logo é evidente (embora por vezes não pareça!) e comummente aceite que as organizações, quer sejam empresas ou não, são locais onde trabalham PESSOAS e não RECURSOS. Com a aceleração dos processos de automação, digitalização e IA não é certo que assim será num futuro próximo, mas para já ainda não fomos substituídos em larga escala por robots. Trata-se, pois, de gerir pessoas e não recursos.

Pode parecer uma mera questão de semântica mas é muito mais do que isso. Quando se fala de “Pessoa” e não de “Recurso” o nosso foco passa a ser o indivíduo na sua singularidade com a sua formação e o seu percurso, com as suas ambições e expectativas, com os seus medos e desconfortos… Cada pessoa, ao contrário do “recurso”, tem as suas próprias características que, para além de inalienáveis, não se podem clonar.

A empresa passará a ser um somatório de todas as pessoas que nela trabalham com as suas diferenças e idiossincrasias.

Nesta nova realidade, o termo gestão também terá que ser (re) visto. A Gestão de Pessoas deixará de estar centrada num serviço ou num departamento (a Direção de Recursos Humanos, ou mesmo a Direção de Pessoas, como já se começa a ouvir) para ser algo que fica disseminado na organização e que será função de todos os stakeholders. Cada pessoa terá que saber encontrar a forma como se relaciona com os seus colegas, como gere a sua carreira, como administra a sua compensação e benefícios, como aloca o tempo para a formação e desenvolvimento pessoal.

Quer isto dizer que vamos assistir ao fim dos DRH? Não! Vamos, sim, assistir a uma refundação dessa função no sentido de a elevar a um patamar superior e a uma maior centralidade dentro de cada organização.

No futuro, cada vez mais organizações assistirão ao surgimento de “People & Culture Managers” que poderão, ou não, estar integrados nas estruturas mais ou menos formais de “RH” e que actuarão como uma espécie de “Provedores das Pessoas” e “Embaixadores da Mudança” em áreas como:

1 – A Cultura Organizacional (identificação dos valores-chave e comuns à organização como sejam a diversidade, a proximidade, o respeito pelo indivíduo ou a flexibilidade);
2 – A Liderança (inspiracional, responsável, próxima);
3 – O Talento (atração dos melhores, mas também a retenção e o desenvolvimento do potencial interno);
4 – O desenvolvimento (dos skills necessários para o negócio de forma prospectiva);
5 – O bem-estar (com vista a um equilíbrio harmonioso e saudável de cada indivíduo).

Os People & Culture Managers não terão a seu cargo a “Gestão de Recursos Humanos”, nem sequer de pessoas, mas terão um papel absolutamente crítico na compreensão do indivíduo e na forma como as organizações devem promover culturas que respondam, como dizia no início, à sua formação, ao seu percurso, às suas ambições e expectativas, aos seus medos e desconfortos.

Nós, na Mercer Portugal, já começámos este caminho. Alguém se quer juntar?

POR DIOGO ALARCÃO EM 28 FEVEREIRO, 2018 IN http://linktoleaders.com/ainda-sentido-falar-gestao-recursos-humanos/

Caso tenha alguma questão, envie-nos um email.


Também poderá gostar de...

FixeAds, o novo mundo dos classificados
15 Fevereiro 2017    1164


Conteúdos Mais Visualizados

Conheça os conteúdos mais visualizados

O novo papel do HR Business Partner
A minha equipa de RH é percecionada pelas áreas de ...
11 Outubro 2017    5344
HED: Inspire Every Day
Neste novo ano queremos partilhar com a comunidade de talento mensagens inspiradoras durante o mês d ...
28 Dezembro 2017    4522
The Ultimate Experience - Talent Escape Room
Se nunca participou em nenhuma Escape Room está no sitio certo para este desafio, o Talent E ...
14 Novembro 2017    4260

Conteúdos Sugeridos

Conheça os conteúdos sugeridos

REGISTER: Webcasts Driving Engagement
...
10 Novembro 2017    2670
Como desbloquear o crescimento num mundo digital
Pedro Brito, partner na Mercer | Jason Associates, esteve presente no Rock in Rio Innovation Week a ...
28 Junho 2018    1563
Setores em que se vai contratar mais em 2019
Retoma da economia trouxe mais ...
26 Setembro 2018    126