Ainda faz sentido falar em gestão de RH?

Ainda faz sentido falar em gestão de RH?
01 Março 2018    3156
Apesar de não preconizar o fim dos DRH entre os quais se contam, aliás, vários amigos e amigas, creio que é uma função que irá ser alvo de uma enorme transformação nos próximos anos.

Já lá vão os tempos em que os DRH tinham como principal função a mera gestão administrativa de salários, férias e faltas ou as chamadas “relações laborais” que incluíam árduas e longas negociações com sindicatos. Seguiu-se uma época em que, a estas funções, foram acrescidas áreas relacionadas com o desenvolvimento profissional, as carreiras, bem como a atração, gestão e retenção de talento. É também dessa época que surgem os conceitos de EVP em que o “E” serve tanto para “Employer” como para “Employee”. Mais recentemente, têm surgido novas áreas de intervenção das direções de recursos humanos como a promoção da saúde e bem-estar através, entre outras, de campanhas de combate ao tabagismo ou workshops sobre alimentação saudável, entre muitas outras.

A questão que agora se coloca é bem mais ampla. Ainda faz sentido falar em “Recursos Humanos”? E é possível assegurar uma “Gestão” desses recursos?

Desde logo é evidente (embora por vezes não pareça!) e comummente aceite que as organizações, quer sejam empresas ou não, são locais onde trabalham PESSOAS e não RECURSOS. Com a aceleração dos processos de automação, digitalização e IA não é certo que assim será num futuro próximo, mas para já ainda não fomos substituídos em larga escala por robots. Trata-se, pois, de gerir pessoas e não recursos.

Pode parecer uma mera questão de semântica mas é muito mais do que isso. Quando se fala de “Pessoa” e não de “Recurso” o nosso foco passa a ser o indivíduo na sua singularidade com a sua formação e o seu percurso, com as suas ambições e expectativas, com os seus medos e desconfortos… Cada pessoa, ao contrário do “recurso”, tem as suas próprias características que, para além de inalienáveis, não se podem clonar.

A empresa passará a ser um somatório de todas as pessoas que nela trabalham com as suas diferenças e idiossincrasias.

Nesta nova realidade, o termo gestão também terá que ser (re) visto. A Gestão de Pessoas deixará de estar centrada num serviço ou num departamento (a Direção de Recursos Humanos, ou mesmo a Direção de Pessoas, como já se começa a ouvir) para ser algo que fica disseminado na organização e que será função de todos os stakeholders. Cada pessoa terá que saber encontrar a forma como se relaciona com os seus colegas, como gere a sua carreira, como administra a sua compensação e benefícios, como aloca o tempo para a formação e desenvolvimento pessoal.

Quer isto dizer que vamos assistir ao fim dos DRH? Não! Vamos, sim, assistir a uma refundação dessa função no sentido de a elevar a um patamar superior e a uma maior centralidade dentro de cada organização.

No futuro, cada vez mais organizações assistirão ao surgimento de “People & Culture Managers” que poderão, ou não, estar integrados nas estruturas mais ou menos formais de “RH” e que actuarão como uma espécie de “Provedores das Pessoas” e “Embaixadores da Mudança” em áreas como:

1 – A Cultura Organizacional (identificação dos valores-chave e comuns à organização como sejam a diversidade, a proximidade, o respeito pelo indivíduo ou a flexibilidade);
2 – A Liderança (inspiracional, responsável, próxima);
3 – O Talento (atração dos melhores, mas também a retenção e o desenvolvimento do potencial interno);
4 – O desenvolvimento (dos skills necessários para o negócio de forma prospectiva);
5 – O bem-estar (com vista a um equilíbrio harmonioso e saudável de cada indivíduo).

Os People & Culture Managers não terão a seu cargo a “Gestão de Recursos Humanos”, nem sequer de pessoas, mas terão um papel absolutamente crítico na compreensão do indivíduo e na forma como as organizações devem promover culturas que respondam, como dizia no início, à sua formação, ao seu percurso, às suas ambições e expectativas, aos seus medos e desconfortos.

Nós, na Mercer Portugal, já começámos este caminho. Alguém se quer juntar?

POR DIOGO ALARCÃO EM 28 FEVEREIRO, 2018 IN http://linktoleaders.com/ainda-sentido-falar-gestao-recursos-humanos/
Contacte-nos
Preencha o formulário com os seus dados para obter mais informações sobre esta aplicação, e em breve entraremos em contacto.
Vamos começar?
*Campos obrigatórios

Também poderá gostar de...

Turismo português, um desafio para todos
07 Fevereiro 2017    2484
Engie: Mudar o consumo de energia
22 Junho 2017    2492


Conteúdos Mais Visualizados

Conheça os conteúdos mais visualizados

Employee Experience
Event Information: Employee Experience ...
18 Novembro 2019    4069
Aplicação: My feedback
MY FEEDBACK O Feedback é uma ferramenta poderosa e divertida de ...
19 Março 2018    3783
Insight Sales – como desenvolver competências de vendas complexas
Quantas vezes já se pe ...
11 Outubro 2017    3740

Conteúdos Sugeridos

Conheça os conteúdos sugeridos

Mercer adquire Jason Associates, apresentando ao mercado uma oferta única em consultoria
A Mercer, consultora nas áreas de bem-estar, benefí ...
11 Outubro 2017    3310
André Salgado, a calculadora supersónica
Tem 24 anos, fascina-o os números e a Matemática. André Salgado não sonhou ser analista ...
19 Junho 2018    3160
Potenciar o engagement dos colaboradores!
Clique aqui para entrar no HED.LAB ...
16 Julho 2018    3194